Com goleada, reforma está perto da aprovação

Havia grande expectativa sobre a votação na comissão especial da Câmara do relatório da reforma da Previdência.

 

Foram mais de 16 horas de discussões, mas o relatório foi aprovado e a proposta segue para análise no plenário, onde ainda pode sofrer alterações.

 

O governo estava apreensivo, mas a vitória foi de goleada na comissão especial, sendo que o texto-base das mudanças nas regras de aposentadoria foi aprovado por 36 votos a 13.

 

Depois, os deputados seguiram com a votação de destaques - pedidos de partidos e deputados para que uma parte específica da proposta seja analisada separadamente.


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), afirmou que iniciará a discussão da reforma no plenário da Câmara na terça-feira (9) para que a proposta seja votada pelos deputados até o final da próxima semana.

 

“Essa foi a nossa primeira vitória e, a partir da próxima semana, vamos trabalhar para aprovar o texto em plenário, com muito diálogo, ouvindo todos os nossos deputados, construindo maioria”, disse Maia.


Foi o primeiro passo, mas ainda tem muito tempo de tramitação no Congresso Nacional, apesar dos esforços para que a Câmara dos Deputados aprove em plenário antes do recesso parlamentar.

 

Para ser enviada ao Senado, a proposta precisa passar por dois turnos de votação no plenário da Câmara, com exigência mínima de 308 votos favoráveis em cada uma.


A vitória por 36 votos a 13 na comissão animou o governo, que agora acredita que poderá ter (até mesmo com folga) os votos para aprovação da reforma da Previdência Social.

 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sabe que não pode esmorecer e que os esforços devem continuar a todo vapor no convencimento da maioria dos deputados federais para ter os 308 votos ou até bem mais que isso.


O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, que participou das negociações, adotou tom conciliador e disse que Bolsonaro tem ajudado na tramitação da reforma.

 

“É evidente que ele tem direito de ter sua opinião, o Parlamento também, a sociedade também. Agora, o mais importante é o resultado, que está se manifestando de forma muito clara através do voto dos parlamentares”.


O mais importante, apesar das críticas da oposição comandada pelo PT e PSol, é que a maioria dos parlamentares está tendo consciência da necessidade da reforma da Previdência para que o País não venha a ter sérios problemas no futuro, como já aconteceu até mesmo em grandes potências mundiais, como a França, Inglaterra e Estados Unidos.

 

Além disso, deputados e senadores têm consciência de que o povo nas ruas está apoiando as reformas propostas pelo governo de Jair Bolsonaro.

 

Eles sabem que, como se diz popularmente, “a voz do povo é a voz de Deus”!