Sociedade de Cardiologia: Presidente regional levanta sinais de risco para atletas em congresso

Moro dará uma aula sobre cardiologia do esporte

O presidente regional da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, André dos Santos Moro, será um dos realizadores do Congresso de Cardiologia da Socesp, que é o maior do Brasil e o quarto do mundo.

 

Moro dará uma aula sobre cardiologia do esporte.

 

Ele alertou a população sobre sinais que merecem uma avaliação cardiológica antes da prática de qualquer exercício físico.


Cerca de oito mil congressistas assistirão ao evento, que acontece na capital paulista de 20 a 22 de junho.

 

André dos Santos Moro, médico em Marília, participa como presidente da regional e será responsável por uma das aulas. 


Moro vai abordar as diferenças entre miocardiopatia hipertrófica (doença genética do coração) e coração de atleta.


“É fundamental aos médicos diferenciarem uma situação da outra porque há semelhanças aparentes, mas a cardiopatia hipertrófica está relacionada à morte súbita”.

 

O médico explicou que o coração do atleta de elite sofre algumas modificações em sua estrutura e pode ser confundidas com uma doença.


Em especial o aumento de tamanho do coração.

 

Só que nesse caso a característica é fisiológica, reversível e benigna.

 

Enquanto a cardiopatia hipertrófica gera um aumento de coração patológico, irreversível e que tem relação com morte súbita. 


“A patologia é incomum, acometendo uma pessoa em cada 500 nascimentos, mas impede completamente a prática de esportes”, salientou Moro.

 

Ele alertou a população que outras cardiopatias também podem ser proibitivas com relação aos exercícios físicos, daí a importância de uma avaliação médica.  


“Sinais de batedeira no coração, dor no peito e falta de ar são alertas que precisam ser investigados.

 

E qualquer pessoa com cardiopatias na família ou, principalmente, morte súbita, deve fazer um check-up cardiológico”, avisou o cardiologista.