Hipertensão pode ser assintomática

O Dia Mundial da Hipertensão (hoje, 17 de maio) chama a atenção para grande parte dos casos em que não há qualquer sintoma. Por isso é que a aferição da pressão arterial deve ser feita mensalmente. No entanto, apesar de rápido, prático e indolor, esse cuidado costuma ser negligenciado até mesmo por pacientes já diagnosticados. Diante da grande quantidade de casos de hipertensão assintomática, o pr

O Dia Mundial da Hipertensão (hoje, 17 de maio) chama a atenção para grande parte dos casos em que não há qualquer sintoma. Por isso é que a aferição da pressão arterial deve ser feita mensalmente. No entanto, apesar de rápido, prático e indolor, esse cuidado costuma ser negligenciado até mesmo por pacientes já diagnosticados.
Diante da grande quantidade de casos de hipertensão assintomática, o presidente regional da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo), André dos Santos Moro, salientou que a aferição da pressão arterial é a única maneira de controle desse fator de risco.
O médico mencionou que infarto, AVC (acidente vascular cerebral), coração dilatado, insuficiência renal e outros acometimentos graves estão relacionados à hipertensão. Preveni-los significa controlar a pressão arterial.
“A aferição da pressão deve ser mensal para todos. Devendo ser feita desde bem cedo para pessoas com histórico familiar e a partir dos 35 anos para as demais”, disse o presidente regional da Socesp.
Como as consultas médicas em geral não são mensais, a opção é buscar os postos de saúde da rede básica, onde há profissionais capacitados para a aferição. Ou tem o próprio equipamento, o que hoje em dia é mais comum, principalmente pela versão digital que é mais fácil de ser utilizada.
No entanto, André dos Santos Moro alerta para a forma de realizar a aferição. “Há alguns cuidados essenciais para uma aferição correta. É preciso repousar por cinco a dez minutos antes, estar de bexiga vazia, não ter tomado café ou fumado uma hora antes, não estar com dor e nem falar durante a medição, o que eleva a pressão arterial”.
Pressão arterial acima de 8,5 por 13,5 é sinal de alerta. Essa aferição deve ser repetida diversas vezes e se houver repetição da alta deve-se procurar um médico para os devidos exames e avaliações. Há dois tratamentos para a hipertensão, alimentar e habitual e medicamentoso.
“Há pacientes que atingem um controle satisfatório somente com alimentação adequada e prática regular de exercícios físicos. Outros necessitam da medicação imediata ou num segundo momento”, observou o médico.
É importante o alerta para os pacientes diagnosticados também. O tratamento correto previne doenças e agravos para a saúde, mas não basta apenas tomar a medicação indicada pelo médico. “É preciso a verificação mensal da pressão arterial da mesma forma e acompanhamento médico para garantir o controle da pressão. Há casos em que é preciso alterar a medicação, associá-la a outros remédios ou fazer a mudança da dose”, finalizou o cardiologista.