Médico de Marília leva estudo a congresso. SP tem mais incidência

Uma pesquisa médica desenvolvida durante três anos nos serviços SUS do estado de São Paulo identificou que aproximadamente 22.600 usuários do sistema apresentam doença inflamatória intestinal. O autor é o gastroenterologista e cirurgião do aparelho digestivo, Rodrigo G. Gasparini, de Marília, que palestrou sobre o assunto durante o II Congresso Brasileiro de Doenças Inflamatórias Intestinais, real

Uma pesquisa médica desenvolvida durante três anos nos serviços SUS do estado de São Paulo identificou que aproximadamente 22.600 usuários do sistema apresentam doença inflamatória intestinal. O autor é o gastroenterologista e cirurgião do aparelho digestivo, Rodrigo G. Gasparini, de Marília, que palestrou sobre o assunto durante o II Congresso Brasileiro de Doenças Inflamatórias Intestinais, realizado no último mês de março em Campinas.
A pesquisa foi desenvolvida entre 2012 e 2015 e publicada em 2018 na revista médica internacional Clinical and Experimental Gastroenterology, sendo parte da tese de doutorado do autor. A repercussão culminou no convite ao gastroenterologista para que palestrasse sobre a “Epidemiologia das Doenças Inflamatórias Intestinais no Brasil e na América Latina”.
O congresso aconteceu de 29 a 31 de março e o médico de Marília palestrou no primeiro dia do evento. “As doenças inflamatórias intestinais têm sido mais diagnosticadas nos últimos 20 anos em nosso continente, tendo o Brasil como o país de maior incidência na América Latina e São Paulo como o estado brasileiro de maior prevalência”, considerou o médico.
Ainda não existem resultados comprovados sobre as causas das doenças inflamatórias intestinais, mas, além do fator genético, podem estar associadas ao estilo de vida urbano, aumento do consumo de alimentos processados e industrializados, abuso de medicamentos, em especial antibióticos e anti-inflamatórios, e menor exposição a microrganismos desde a infância (muita proteção e pouco contato com sujeira e natureza). “Não há ainda comprovações, mas os estudos caminham nesse sentido”, frisou Rodrigo G. Gasparini.
Gasparini ressaltou a importância de abordar a incidência das doenças inflamatórias intestinais com gastros, proctologistas, cirurgiões do aparelho digestivo e demais médicos interessados para despertar a atenção da classe e diminuir o tempo de diagnóstico, que, atualmente chega a levar de 28 a 30 meses, em algumas regiões do país.
“Os pacientes apresentam sintomas como diarreia, sangue nas fezes, dor abdominal e perda de peso. Mas muitas vezes são tratados como tendo viroses, verminoses, entre outras suspeitas. É fundamental que a classe médica considere as doenças inflamatórias intestinais para instituir o tratamento precocemente, no intuito de reduzir os prejuízos causados por estas patologias”, considerou o autor da pesquisa e palestrante do Congresso Nacional. O consultório do gastroenterologista Rodrigo G. Gasparini fica localizado na rua Sete de Setembro, nº 979. O telefone é 3113-9119.