Semesp foca Educação à Distância em jornada

A Educação à Distância foi o ponto alto entre os assuntos levantados pelo Semesp ontem, no Hotel Quality Sun Valley. O foco esteve na preocupação com a qualidade do ensino e na tendência de cursos híbridos, que integrem o sistema online e o presencial. Marília abriu a 15ª edição das Jornadas Regionais, que seguem até outubro em mais cinco cidades do estado. A novidade neste ano foi a transmissão a

A Educação à Distância foi o ponto alto entre os assuntos levantados pelo Semesp ontem, no Hotel Quality Sun Valley. O foco esteve na preocupação com a qualidade do ensino e na tendência de cursos híbridos, que integrem o sistema online e o presencial. Marília abriu a 15ª edição das Jornadas Regionais, que seguem até outubro em mais cinco cidades do estado. A novidade neste ano foi a transmissão ao vivo pela Internet.
O Semesp representa as mantenedoras de ensino superior no Brasil (educação privada), tendo completado 40 anos no último mês de março. As Jornadas Regionais acontecem todos os anos, mas até 2018 eram feitas de forma concentrada, percorrendo as bases regionais no estado, sem transmissões online.
Neste ano o alcance será maior, tanto em participantes quanto em assuntos. O evento de ontem registrou 64 participantes presenciais e mais cem online. A exibição em tempo real pela Internet possibilita uma maior adesão, incluindo de outros estados brasileiros. As próximas jornadas desta 15ª edição também terão inscritos virtuais e, por abranger um maior número de pessoas, não será mais necessário repetir os mesmos temas a cada jornada regional.
“Trataremos dos temas que considerarmos pertinentes a cada período do ano e podemos nos aprofundar mais, visto que espaçamos as jornadas ao longo do ano. O interessante dessa estratégia é que continuamos dando a opção presencial, com o deslocamento até as bases regionais do estado, mas utilizamos a ferramenta online para que as pessoas de uma ou de outra região possam participar de todas as jornadas regionais que desejar”, explicou o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato.
No período da manhã as abordagens mercadológicas foram maioria, mas o foco da jornada em Marília, que durou o dia todo de ontem, esteve na EaD (Educação à Distância). Dados do Semesp mostram que houve aumento de 63% de ingressantes em cursos de EaD no ano de 2017.
No entanto, a preocupação está na qualidade e na atração de jovens. “Infelizmente apenas 18% dos jovens brasileiros estão no ensino superior (ao terminar o ensino médio e em instituições públicas e privadas). A meta federal é que o país chegue a 33% até 2024. As vagas em universidades públicas são muito poucas e bem caras para serem abertas. Já o ensino superior privado, que abrange 75% da oferta total é financeiramente inacessível à maioria”, informou o diretor do Semesp.
A EaD cresceu, mas não abrangendo os jovens. A faixa etária dos alunos na região de Marília, segundo o levantamento de 2017 do Semesp, compreende dos 29 aos 44 anos. “A maioria dos cursos de EaD são 100% online, até para serem mais baratos, o que não é indicado, porque sacrifica a qualidade e não atrai os jovens, que precisam ser muito disciplinados para conseguirem cursar o ensino superior dessa forma”, acrescentou Rodrigo Capelato.
Cursos semipresenciais são mais indicados na EaD
O Semesp indica os cursos híbridos, que integrem o sistema online e o presencial. A alternativa reduz os custos, mas oferece mais condições a um ensino de qualidade e força um maior comprometimento do aluno (facilitando a adesão de jovens também). Capelato observou que essa é uma tendência que vai ao encontro, inclusive, do mercado de trabalho, cada vez mais voltado a sistemas que conciliem a presença física e os “home offices”.