Homenageando Braz Alécio, 30º Salão “Marília através de seus artistas” tem inscrições abertas

Estão abertas, desde ontem, as inscrições para o 30º Salão “Marília através de seus artistas”. Os interessados devem comparecer de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na sede da Secretaria Municipal da Cultura (rua Lupércio Garrido, 44) para preencher ficha de inscrição.

Estão abertas, desde ontem, as inscrições para o 30º Salão “Marília através de seus artistas”. Os interessados devem comparecer de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na sede da Secretaria Municipal da Cultura (rua Lupércio Garrido, 44) para preencher ficha de inscrição.

Os trabalhos inscritos deverão ser originais e inéditos e nunca antes exposto em nenhum outro local. Poderão ser inscritos pinturas, escultura, gravuras, desenhos, mosaico e fotografia.

Para a coordenadora do Salão, Izabel Campos, a abertura do 30º Salão “Marília através dos seus artistas” tem como objetivo incentivar a produção de obras novas e inéditas. “Além da produção de novas obras, o Salão visa homenagear a cidade de Marília e ampliar a participação dos artistas nas exposições realizadas pela Galeria”, disse Izabel.

Segundo André Gomes Pereira, secretário municipal da Cultura, neste ano, o artista plástico terá duas opções como tema para sua obra do 30º Salão: poderá ter como referência a poesia “Crucificação” (BOXE), de autoria de Braz Alécio; ou tema que remeta a uma homenagem aos 90 anos da cidade de Marília.

“Neste ano de 2019, em consequência da perda estimada de nosso eterno Bráz Alécio, artista plástico de Marília, que tanto fez e nos representou em todo território nacional e internacional, vamos dedicar uma homenagem a uma de suas poesias, como referência da leitura artística na proposta para os artistas nessa edição, ou seja, o artista através da poesia deve se inspirar em produzir sua obra”, disse André Gomes.

Artista homenageado

Braz Alécio (in memorian 1929 - 2019) nasceu em Marília no dia 20 de junho de 1929. Filho de Reinaldo Alécio e Aurora Rojo, o mariliense foi pioneiro da cidade, junto com seus nove irmãos. Acompanhou de perto o crescimento de Marília.

O artista teve infância simples, mas com a arte sempre presente desde a escola, onde desenhava. E foi por causa dos seus desenhos que ele ganhou uma bolsa e aos 17 anos mudou-se para São Paulo para estudar no museu de artes plásticas. Casou-se em 1953 com Dona Olinda e tem dois filhos, Adilson e Ruth.

Durante o período que ficou fora de Marília, o artista teve contato com grandes exposições e teve aulas com Cândido Portinari entre outros artistas renomados. Também se dedicou à atividade de arte-educador.

 

Crucificação

 

Procissão do Senhor morto

Quem disse que ele morreu

Se quando desceu da cruz

Foi que em verdade viveu

 

Falasse Nossa Senhora

A todos que vão rezando

E a Santa diria a todos

Por voz é que estou chorando

 

Vendo o teu corpo deitado

Sobre rendados e palmas

Peço a Deus que te levante

Bem dentro de nossas almas

 

Senhor que passas dormindo

Sobre esse esquife de luz

Dá que me envolva este sono

Ao descer da minha cruz

 

Neste século de trevas

Que gera tantas procelas

Quem dera que nestas almas

Vivesse a luz dessas velas

 

Procissão que vai passando

Caiada, devagarzinho

Põe os pés dos caminhantes

No verdadeiro caminho.

 

(Braz Alécio)