Prazo para assinatura virtual termina na quinta

O prazo de assinatura virtual por centros de estudo da cannabis medicinal fitoterápica no Brasil termina nessa quinta-feira (dia 14). A planta cannabis sativa (maconha) é comprovadamente eficaz no tratamento de algumas doenças e síndromes. É preciso 20 mil adesões para que o pedido chegue ao Senado. O objetivo é o acesso ao tratamento por quem precisa. As duas mães de Marília que conseguiram na Ju

O prazo de assinatura virtual por centros de estudo da cannabis medicinal fitoterápica no Brasil termina nessa quinta-feira (dia 14). A planta cannabis sativa (maconha) é comprovadamente eficaz no tratamento de algumas doenças e síndromes. É preciso 20 mil adesões para que o pedido chegue ao Senado. O objetivo é o acesso ao tratamento por quem precisa.
As duas mães de Marília que conseguiram na Justiça o direito de cultivar a planta cannabis sativa fortalecem a campanha de legalização de centros de estudos no Brasil. O link Ideia Legislativa, no site do Senado Federal, abre possibilidade à manifestação dos eleitores, levantando e apoiando solicitações para serem debatidas entre os senadores.
Nayara de Fatima Mazini Ferrari é uma dessas mães e, por sua iniciativa, foi feito nesse link do Senado o pedido de legalização de centros de estudos de cannabis medicinal fitoterápica. Os brasileiros são privados do acesso legal à substância, ficando reféns da importação do produto sintético e dos laboratórios, o que torna a aquisição demorada, burocrática e de alto custo.
Pelo alto custo, essa importação ocorre pelo Estado, via ação judicial, mas a entrega pelo SUS não tem funcionado. Frente a ineficiência do poder público, o cultivo domiciliar e uso medicinal através da extração do óleo da cannabis (canabidiol) é a forma que muitas famílias encontram para a continuidade do tratamento.
O Judiciário, amparado técnica e cientificamente para o entendimento de que o método de extração artesanal é seguro e eficiente, vem decidindo favoravelmente aos pedidos de salvo conduto destas famílias, a fim de assegurar o direito de preservação da vida e da dignidade.
As mães Nayara Mazini e Cláudia Marin recorreram à Justiça e conquistaram o direito ao cultivo da canabis. Seus filhos, Letícia e Mateus, respectivamente, são crianças especiais com quadros graves de epilepsia e o canabidiol é essencial ao tratamento.
Estudos realizados internacionalmente evidenciam que, em diversos tipos de patologias, obtêm-se ótimos resultados e pouco ou nenhum efeito adverso do uso do canabidiol, gerando grande impacto na qualidade de vida.
Como ajudar
Para ajudar na causa, basta acessar o site do Senado, www12.senado.leg.br, entrar em Ideia Legislativa, no rodapé da página, digitar “cannabis medicinal fitoterápica” no espaço de busca e entrar no primeiro item sugerido. A partir daí é só clicar em Apoiar, sendo necessário, antes, fazer o login no facebook ou na conta do Google.