Conselho do MAC vai ter as últimas 6 vagas preenchidas amanhã em eleição

Prefeito Daniel Alonso é um dos sócios que poderá se tornar conselheiro

 

As últimas seis vagas para membros titulares do Conselho Deliberativo do Marília Atlético Clube (MAC) serão preenchidas amanhã (dia 2), através de eleição, a partir das 9h, na secretaria do estádio Bento de Abreu. No último domingo (24), foi publicado um edital no Jornal da Manhã, convocando os 15 conselheiros para a Assembleia Extraordinária. Além do pleito de reposição do quadro, outros três assuntos da pauta serão discutidos: reforma do estatuto social, deliberação de novos sócios e assuntos gerais.

Para a eleição deste ‘Sábado de Carnaval’, poderão se candidatar somente os 15 novos sócios que tiveram seus nomes aprovados pelo Conselho Deliberativo na última reunião, realizada no dia 2 de fevereiro. Entre os candidatos estão dez pessoas ligadas à administração municipal, sendo o principal deles o prefeito Daniel Alonso.

Também estão entre os possíveis candidatos da prefeitura: Alysson Alex Souza e Silva (procurador geral), João Paulo dos Santos (diretor de comunicação), Márcio Augusto Spósito (chefe de gabinete), Levi Gomes Oliveira (secretário da fazenda), Valdeci Fogaça de Oliveira (presidente da Emdurb), Thiago de Souza Vasconcelos (assessor de planejamento urbano), Wânia Lombardi (secretária de assistência social), Cidimar Luiz Furquim (diretor de suprimentos) e Eduardo Nascimento (secretário de esportes), que assumiu no mês passado a função de diretor geral de futebol do MAC.

Outros cinco candidatos que podem concorrer ao pleito são: Giovanni Nascimento (filho de Eduardo Nascimento), Adriano Garcia Cirino (ortopedista), Alexandre Sala (advogado), Eduardo Yoiti Delbianco Yamamoto (advogado) e Luiz Guilherme Lacava (empresário).

Pelo atual estatuto do Marília, o Conselho Deliberativo pode ter até 31 membros titulares e dez suplentes. No momento o quadro tem 15 conselheiros titulares e nenhum suplente. Serão preenchidas somente seis vagas entre os titulares, porque de acordo com o estatuto, dez dessas cadeiras precisam ser necessariamente ocupadas por ‘sócios vitalícios’ e no clube não há por enquanto ninguém nessa condição. Todos hoje que fazem parte do quadro associativo são ‘contribuintes’ – pagam anualmente a taxa (atualmente de R$ 600,00).

O mandato do atual Conselho Deliberativo (de 4 anos) se encerra em dezembro de 2020.’

Dos 15, 11 votam

Dos 15 conselheiros do Marília, quatro deles não poderão participar da votação para a escolha de seis novos membros: Antônio Carlos Sojinha (presidente do clube), Antônio Abdala, o “Ica” (vice do clube), José Luiz Todeschini (supervisor do clube) e Paulo Roberto Amado (presidente do Conselho Fiscal). “Eles poderão participar da reunião, mas não terão direito a voto, porque possuem outros cargos no MAC e isso é incompatível”, explicou o presidente do Conselho, Cristiano Gonçalves, o “Crisão”.

Sobre como será realizada a eleição de reposição do Conselho, Crisão reconheceu que o atual estatuto não explica como é feito o procedimento. “O estatuto é falho nesse sentido, assim como em outros pontos, por isso estamos realizando as reformas. No dia da reunião vamos definir um critério para o pleito da maneira mais democrática possível”, comentou.

 

Os 11 conselheiros com direito a voto:

 

Archibaldo Eustáquio, o “Bado” (vice-presidente do Conselho)

Cláudio Pinho Goes (delegado)

Cristiano Gonçalves, o “Crisão” (presidente do Conselho)

Edson Rodrigues (anestesista)

Eduardo Pereira Tassinari (empresário)

Gervásio Ferreira de Melo (comerciante)

Jair Cândido da Silva (bancário aposentado)

Roberto Acácio de Oliveiros (empresário)

Valter Cavina (empresário)

Vinícius Rezende (advogado)

Wilson Jinno (dentista)