Unimar forma 30ª turma de Agronomia

A Universidade de Marília realizou ontem de manhã a colação de grau para 28 bachalerandos em Engenharia Agronômica. O curso está entre os mais tradicionais da Unimar, se tornando cada vez mais tecnológico para atender às exigências do mercado. Esta é a 30ª turma. “É um orgulho muito grande para a Universidade de Marília ter um curso tão tradicional, com uma infraestrutura que impressiona nossos v

A Universidade de Marília realizou ontem de manhã a colação de grau para 28 bachalerandos em Engenharia Agronômica. O curso está entre os mais tradicionais da Unimar, se tornando cada vez mais tecnológico para atender às exigências do mercado. Esta é a 30ª turma.
“É um orgulho muito grande para a Universidade de Marília ter um curso tão tradicional, com uma infraestrutura que impressiona nossos visitantes. Parabenizo os bacharelandos com os quais caminhamos até aqui, certos de que iniciam hoje a nova etapa de suas vidas, preparados para tal”, disse a pró-reitora da Unimar, Fernanda Mesquita Serva.
O formando Bruno Palombo Franco, de 22 anos, é de Pedrinhas Paulista e tem um histórico familiar na área da agronomia. “O curso foi tudo que eu esperava e quero atuar na área tecnológica, em agricultura de precisão”.
O coordenador do curso de Engenharia Agronômica, Ronan Gualberto, salientou que o perfil do aluno mudou, se tornando mais empreendedor. “Não se trata mais de simplesmente continuar o trabalho da família. A agronomia tem um amplo leque de atuação e se for para seguir a ocupação dos pais, esses jovens surgem no mercado com um espírito mais ousado e empreendedor, agregando tecnologia no campo”.
Segundo o coordenador, os jovens chegam às carteiras universitárias da agronomia conscientes das mudanças do curso e buscam essa formação tecnológica. Ele observou que o curso da Unimar agregou toda a modernização e expansão do mercado.
“Uma vantagem da agronomia é que, diferente de várias outras profissões, ela não sofre as nuances do mercado. É uma área sempre promissora e de ampla atuação, no mundo todo e principalmente no Brasil, que é o país onde há mais área a ser explorada pela produção de alimentos”.
Ronan Gualberto informou que hoje o país só ocupa 9% de seu território com agricultura e ainda há mais de cem milhões de hectares a serem ocupados, incluindo as pastagens degradas, mas respeitando toda área de floresta e de preservação ambiental.
Entre as possibilidades para os formandos na atualidade estão a agricultura de precisão, a integração lavoura-pecuária-floresta na mesma área, a rotação de culturas, as consultorias, pesquisas e extensão, a área de defensivos agrícolas e de produtos e insumos, por exemplo.
O patrono da 30ª turma é o docente Luciano Soares de Souza. “Estou me desligando da Unimar após mais de 20 anos de docência nesta instituição que prezo muito. E me despeço de forma honrosa com esse convite dos meus alunos, com os quais tive uma ligação de pai para filhos nesses últimos anos”.