Prefeito e membros do alto escalão vão à reunião no MAC e se tornam sócios

Como novo sócio, Daniel Alonso pode se candidatar ao Conselho e até a presidência do clube

A reunião do Conselho Deliberativo do Marília Atlético Clube (MAC), realizada ontem pela manhã, na secretaria do estádio Bento de Abreu, foi marcada pela presença do prefeito Daniel Alonso e de alguns membros do alto escalão da atual administração municipal. Convidados pelo secretário de esportes Eduardo Nascimento, que há poucos dias assumiu o cargo de diretor geral de futebol do Alviceleste, os representantes do Poder Público entraram com pedido para se tornarem sócios e foram prontamente aceitos pelos conselheiros.

A abertura para a inclusão de novos sócios no MAC era um dos quatro temas da pauta de assuntos da Assembleia Geral Extraordinária. Além do prefeito, estiveram presentes na reunião do Conselho como convidados: Marcio Augusto Sposito (chefe de gabinete), Alysson Alex de Souza e Silva (procurador jurídico), Valdeci Fogaça (diretor da Emdurb) e Wania Lombardi (secretária da assistência social), entre outros indicados (empresários e profissionais liberais).

Perguntado pela reportagem JM sobre o pedido de se tornar sócio do MAC, Daniel Alonso desconversou, mas não negou. “Isso (ser sócio) não é o mais importante. Em primeiro lugar temos a consciência que precisamos ajudar o clube, para que ele volte ao lugar de onde nunca deveria ter saído, que é a 1ª Divisão do Paulistão”, declarou.

“Todos esses que eu indiquei vão fazer parte do quadro associativo do Marília, agora quais irão se tornar conselheiros no futuro vai depender da decisão dos atuais membros do Conselho”, comentou Eduardo Nascimento, que também é um novo sócio. Segundo o presidente do Conselho Deliberativo, Cristiano Gonçalves, o “Crisão”, qualquer pessoa poderá entrar no quadro associativo do MAC. O valor da taxa anual é de R$ 600,00 (aproximadamente 60% de um salário mínimo), podendo ser dividido em até 12 meses.

Os sócios adimplentes podem concorrer ao quadro do Conselho Deliberativo e até à presidência do clube. O mandato dos conselheiros atuais e da diretoria executiva se encerra em dezembro de 2020. Contudo, Crisão disse que a possibilidade é grande de que sejam abertas vagas de conselheiros ainda para esse mandato. “Muito embora não haja a necessidade de reposição dos membros que renunciaram ou foram desligados, nós podemos tomar medidas emergentes, pois um dos princípios do clube é a continuidade da boa estrutura do Conselho Deliberativo e da diretoria executiva”, citou.

Pelo estatuto, o Conselho Deliberativo do MAC pode ter até 31 membros titulares e dez suplentes. “Minha intenção é que ainda esse ano possamos fazer essa votação para a inclusão de novos conselheiros, antes das eleições de 2020. O que não podemos permitir é que uma pessoa entre como sócia, no outro dia seja conselheira e no outro eleja o presidente de diretoria. A minha responsabilidade é com o torcedor, é a chamada democracia. O MAC não está restrito a ninguém, todos podem colaborar”, frisou.

O presidente do Conselho Deliberativo disse que irá publicar nos próximos dias um chamado público para os interessados em se associarem. “Isso será feito para antigos sócios que quiserem reativar sua condição e para qualquer cidadão que queira contribuir com o Marília”. Não há limite para o número de associados.

Organização do Conselho

Na reunião de ontem, 13 conselheiros estiveram presentes e um deles teve seu pedido de renúncia (feito no dia 9 de maio de 2018) revogado pela maioria. Trata-se do empresário Valter Cavina, que segue no quadro do Conselho Deliberativo. Também ficou definido que aqueles conselheiros que estão inadimplentes com a taxa de sócio e que não compareceram nas últimas reuniões, terão cinco dias úteis (a partir desta segunda-feira, dia 4), para regularizar a situação. “Para não sermos autoritários vamos dar esse prazo. Todos eleitos em 2016 e nomeados em 2017 serão notificados. Após esse processo vamos divulgar quantos e quais são os membros atuais do Conselho”, afirmou Crisão.

Além de Valter Cavina e de Cristiano Gonçalves, os 11 conselheiros presentes ontem foram: Antônio Carlos Sojinha (presidente do clube), Antônio Abdala, o “Ica” (vice-presidente do clube), Archibaldo Eustáquio Brito, o “Bado” (vice-presidente do Conselho), Caio Báciga (empresário de atletas), Edson Rodrigues (anestesista), Paulo Roberto Amado (engenheiro civil), Vinícius Rezende (advogado), Gervásio Ferreira de Melo (comerciante), Jair Cândido da Silva (bancário aposentado), José Luís Todeschini (supervisor do MAC) e Wilson Jinno (dentista).

Mudanças no estatuto

Outro tema abordado na reunião de ontem foi o processo de reformulação do estatuto do MAC, que está sendo elaborado pelo presidente do Conselho Deliberativo, Cristiano Gonçalves, que é advogado trabalhista. Desde que assumiu o cargo de forma interina, no dia 9 de maio de 2018, o dirigente se propôs a “atualizar” o estatuto. “Isso não é algo simples e será feito gradativamente. Eu o separei em três partes. A primeira todos os presentes receberam uma cópia e a votação para aprovação acontecerá em um novo encontro, que será realizado em março (ainda sem data definida). Nesta assembleia também entregarei a segunda parte para avaliação de todos e marcação de uma nova reunião para aprovação. Será esse o procedimento até a conclusão das três partes”, enfatizou Crisão.