Medex volta a ser alvo de reclamações

A Medex, farmácia de alto custo do Estado, volta a ser alvo de reclamações em Marília. Os motivos são a demora no atendimento, o sistema burocrático e lento e a falta de funcionários, queixas antigas da população. O espaço lotado também deixa muitos esperarem em pé. Um novo usuário voltou a reclamar da Medex, que tem sido alvo de queixas pela população há anos. Daércio Galati Vieira teve que ir t

A Medex, farmácia de alto custo do Estado, volta a ser alvo de reclamações em Marília. Os motivos são a demora no atendimento, o sistema burocrático e lento e a falta de funcionários, queixas antigas da população. O espaço lotado também deixa muitos esperarem em pé.
Um novo usuário voltou a reclamar da Medex, que tem sido alvo de queixas pela população há anos. Daércio Galati Vieira teve que ir três vezes na farmácia de Alto Custo do Estado para conseguir a medicação de que precisava, mas no terceiro dia perdeu a paciência e desistiu do remédio.
A Medex realiza cerca de 350 atendimentos por dia, das 7h às 15h. Além disso, envia medicamentos para outros 33 municípios da região que fazem a redistribuição dos itens. O problema é que o sistema de atendimento e o número de funcionários no atendimento ao público parece insuficiente.
Há anos o Jornal da Manhã vem abordando o problema, sendo procurado por diversos usuários descontentes. Na última semana Daércio Vieira relatou sua saga e está indignado com o que chamou de “descalabro (decadência) político”.
“No primeiro dia peguei a senha, me sentei e esperei 1h40. Quando fui atendido, a funcionária disse que faltava eu apresentar alguns exames de sangue. Fui para casa, peguei os exames e retornei no dia seguinte. Dessa vez achei que seria atendido de pronto, mas me enganei. Novamente peguei a senha e esperei mais cerca de 1h30. E esse atendimento foi apenas para me cadastrar e cadastrar o fornecimento do remédio. A funcionária agendou para eu voltar dois dias depois para ver se o cadastro havia sido aprovado. Dessa terceira vez achei que era só pegar a medicação, mas quando soube que teria que pegar a senha pela terceira vez e aguardar mais de uma hora de novo perdi a paciência e fui embora sem ser atendido e sem meu remédio”, contou o reclamante.
Daércio Vieira reiterou o que todos os demais reclamantes anteriores afirmam e que o Jornal da Manhã já constatou no local: longa espera, guichês vazios, burocracia e pessoas aguardando em pé, por excesso de demanda e falta de fluidez no atendimento. “Isso acontece todos os dias naquele local. Com pessoas daqui e de fora e até idosos e doentes”.