Prefeitura elimina demanda por cirurgias

A Prefeitura conseguiu eliminar a demanda reprimida por cirurgias em Marília. O Município trabalhou rápido para aproveitar o recurso federal que foi liberado neste semestre com prazo de utilização até o final do ano. Para isso, firmou parceria com hospitais e triou os pacientes das listas de espera. A Santa Casa de Misericórdia se comprometeu a realizar 1.537 cirurgias, sendo 1.200 na especialida

A Prefeitura conseguiu eliminar a demanda reprimida por cirurgias em Marília. O Município trabalhou rápido para aproveitar o recurso federal que foi liberado neste semestre com prazo de utilização até o final do ano. Para isso, firmou parceria com hospitais e triou os pacientes das listas de espera.
A Santa Casa de Misericórdia se comprometeu a realizar 1.537 cirurgias, sendo 1.200 na especialidade de oftalmologia (catarata), 214 em ortopedia, 93 em otorrinolaringologia, 15 na especialidade médica vascular, dez em urologia, além de cinco cirurgias gerais.
O Hospital Beneficente Unimar também é parceiro, tendo cumprido 1.311 cirurgias de catarata em um mutirão de uma semana, no final e novembro. E está realizando outras cirurgias desde setembro em seu centro cirúrgico.
Na soma das duas instituições, os mutirões de cirurgias já somaram aproximadamente 3 mil procedimentos, com estimativa de chegar próximo de quatro mil até 15 de dezembro. “Até o final do ano conseguiremos zerar esperas antigas por cirurgias nas diferentes especialidades médicas, acelerando os encaminhamentos também para as novas demandas que surgirem”, disse o prefeito Daniel Alonso.
O Ministério da Saúde fez a liberação de um dinheiro retido em nível nacional e São Paulo ficou com R$ 54 milhões. Porém, o que não for investido terá que ser devolvido no final do ano. Como o valor é alto e o tempo limitado, os Municípios tiveram que trabalhar rápido e nem todos conseguiram aproveitar a oportunidade.
“Estamos satisfeitos com a gestão do recurso. Autorizamos os hospitais parceiros a realizar todos os procedimentos possíveis em prol da população, dentro de nossa capacidade, e trabalhamos juntos para triar a população que aguardava pelas cirurgias nas várias especialidades médicas”, mencionou o prefeito.
Entre os procedimentos dos mutirões estão cirurgia vascular, de hemorroida, vasectomia, laqueadura, cirurgias do aparelho genital, urinário, na área de ortopedia e osteomusculares e de gastroenterologia.
“Em 2016 (gestão anterior) o Município realizou 2.363 cirurgias. Em 2018 já passamos desse número e os dados de novembro ainda nem foram computados”, observou Daniel Alonso. O prefeito visitou pessoalmente os dois hospitais parceiros para acompanhar os mutirões, conversando com pacientes e diretores. “Esse é um esforço de gestão, um trabalho sério que está sendo feito para reduzir estas filas absurdas que duraram anos. Com esse empenho, conseguimos canalizar boa parte do recurso destinado ao estado de São Paulo em prol da população mariliense”.