Ednardo prepara o primeiro álbum de inéditas desde 1985

Um dos mais importantes compositores do Nordeste projetados na corrente migratória que deslocou artistas da região para o eixo Rio-São Paulo ao longo dos anos 1970, o cearense José Ednardo Soares Costa Souza - conhecido pelo público somente como Ednardo - volta ao mercado fonográfico em 2019.

Um dos mais importantes compositores do Nordeste projetados na corrente migratória que deslocou artistas da região para o eixo Rio-São Paulo ao longo dos anos 1970, o cearense José Ednardo Soares Costa Souza - conhecido pelo público somente como Ednardo - volta ao mercado fonográfico em 2019.

Aos 73 anos, o compositor de Pavão Mysteriozo (1974), Artigo 26 (1976) e Terral (1973) prepara o primeiro álbum autoral de músicas inéditas em 33 anos.

O filho do artista, Daniel Limaverde, é o produtor deste primeiro disco de Ednardo com repertório novo desde Libertree (1985). O repertório do álbum inclui música feita por Ednardo em parceria com o conterrâneo Belchior (1946 - 2017).

Inédita em disco, a música se chama Bip bip, tendo sido feita pelos compositores - amigos desde que se conheceram em Fortaleza (CE) na segunda metade dos anos 1960 – para a sétima e última edição do Festival Internacional da Canção (FIC), produzida e exibida pela TV Globo em 1972.

Bip bip chegou a ser apresentada nas eliminatórias do festival, mas não ficou entre as músicas finalistas e acabou esquecida, sem registro fonográfico.

Residente na cidade do Rio de Janeiro (RJ) desde a década de 1980, Ednardo apresentou no último fim de semana, em São Paulo (SP), show baseado no primeiro álbum solo do artista, O romance do pavão mysteriozo (1974).