Conselho escolar protocola denúncia no Ministério Público por apuração de desvi

Representantes do Conselho da Escola Estadual Antônio Augusto Neto, localizada no Parque São Jorge, zona sul de Marília, protocolaram representação junto ao Ministério Público, pedindo apuração de responsabilidades em suposto desvio de verba ocorrido em 2015. Lourival da Silva Salvino, representante do Conselho – Gestão 2018, e que assina a representação, disse que a escola recebe verba anualment

Representantes do Conselho da Escola Estadual Antônio Augusto Neto, localizada no Parque São Jorge, zona sul de Marília, protocolaram representação junto ao Ministério Público, pedindo apuração de responsabilidades em suposto desvio de verba ocorrido em 2015. 

Lourival da Silva Salvino, representante do Conselho – Gestão 2018, e que assina a representação, disse que a escola recebe verba anualmente, liberada em duas parcelas, através da APM (Associação de Pais e Mestres). Levantamento realizado pelo conselho mostrou que foram realizados gastos com materiais que são incompatíveis com valores das notas. 

Salvino afirmou que o conselho começou a juntar documentos este ano, e em razão de problemas na prestação de contas, a APM da escola está com contas bloqueadas e não pode receber os recursos para aplicar nas benfeitorias da escola. “Por conta dessa pendência em 2105, veio apenas uma parcela de R$ 25 mil e não veio mais. Eram R$ 50 mil anuais em duas parcelas”, disse. 

Lourival Salvino afirmou que a representação junto ao Ministério Público pede apuração detalhada para que a APM tenha as contas desbloqueadas. “A verba é direcionada a atividades esportivas, culturais, de lazer. São mais de 800 alunos na escola que estão sendo prejudicados”, disse. 

PROCESSO ADMINISTRATIVO

Em nota encaminhada ao Jornal da Manhã pela assessoria de imprensa, a Diretoria Regional de Ensino de Marília informou que está em andamento processo administrativo que envolve a antiga gestão da Escola Estadual Antônio Augusto Netto. 

Segundo a Diretoria, desde a constatação do bloqueio dos repasses para a escola, a unidade de ensino continuou sendo assistida pela diretoria de ensino, com destinação de verba estadual para a realização de serviços de manutenção do prédio, somando investimentos na ordem de R$ 31,4 mil. “A DE e a gestão escolar estão à disposição da comunidade, dos estudantes gremistas e da Associação de Pais e Mestres para buscar novas ações em prol da escola”, informou a nota.