Após 1 ano, apenas 3 marcas de carro fizeram parceria com Detran-SP para informar sobre recalls

Órgão recebe lista de carros que não atenderam a chamados e contata atuais donos. Quase 300 mil cartas foram enviadas a proprietários de veículos da Honda, da Renault e do grupo Fiat Chrysler

Há 1 ano o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) vem ajudando fabricantes de carros a contatar donos de unidades envolvidas em recalls.
A parceria começou com a Honda e se estendeu a outras duas montadoras: Renault e FCA, responsável pelas marcas Fiat e Jeep, ainda no ano passado.
A ideia era aumentar o número de veículos consertados. Todo recall acontece por conta de falhas que põem a segurança dos ocupantes em risco. O reparo é gratuito, mas muitos carros continuam rodando com o defeito.
Segundo as montadoras, um dos motivos do baixo comparecimento às oficinas é que elas não conseguem contatar os atuais donos de veículos que já passaram por mais mãos. Daí o pedido para que o Detran permitisse o contato com o proprietário atual.
Só em 2018, ao menos 24 marcas de carros convocaram pelo recalls no país, mas poucas aderiram ao programa pioneiro de São Paulo, estado que concentra a maior frota do Brasil.
“Estamos abertos a todas as outras fabricantes. Por enquanto, são apenas as 3”, diz Maxwell Vieira, diretor-presidente do Detran-SP, explicando que as empresas não têm acesso aos dados dos atuais proprietários. Elas enviam uma relação com os chassis de veículos com recalls pendentes e o órgão fica responsável por levantar as informações do proprietário e enviar a correspondência.
Para ele, isso também contribuiu para uma maior aceitação. “Às vezes, o motorista, quando recebe a correspondência da montadora, acha que é propaganda, e acaba não abrindo”.
Honda foca nos airbags
Para a Honda, a parceria vem cumprindo com a expectativa. A montadora focou no recall dos “airbags mortais”, aqueles cujo defeito causou dezenas de mortes nos Estados Unidos e na Malásia.
No Brasil, mais de 1 milhão de carros de diversas marcas usam esses airbags defeituosos. Há desde veículos mais recentes àqueles produzidos no início dos anos 2000.
Só em São Paulo, a Honda possui cerca de 850 mil veículos envolvidos em algum recall. Ela pediu ao Detran-SP que enviasse cartas a 294 mil proprietários, considerando os carros com esse defeito do airbag.
Cerca de 90 mil responderam ao chamado. A empresa descobriu também que outros 11 mil carros convocados já estavam fora de circulação.
Maior recall da história, o caso dos “airbags mortais” envolve 11 marcas no Brasil. Além da Honda, a maioria dos carros com essa falha no país é da Toyota, que não firmou parceria com o Detran-SP.
A Toyota diz que está em negociação para aderir ao sistema do Denatran, semelhante ao do Detran-SP, mas que ainda não está em vigor.
Renault e FCA
A Fiat Chrysler (FCA) tem carros com “airbags mortais” e foi a última a estabelecer parceria com o Detran, em dezembro. A empresa afirma que teve acesso ao sistema somente em março, e, por isso, “não é possível ainda mensurar o impacto” do acesso aos dados. Também não informou quantos veículos foram notificados na parceria. O Detran-SP disse que não tem o número de carros do grupo envolvidos em recalls no estado. Fazem parte da FCA as marcas Fiat, Jeep, Chrysler, Dodge e Ram.
A Renault não está envolvida no escândalo dos airbags, mas tem 1.947 veículos em recalls em São Paulo, de acordo com o Detran. Ela pediu que praticamente todos fossem contatados pelo órgão: 1.910 foram notificados por carta desde o fim do ano.
Denatran ainda não liberou
Também em agosto passado, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) divulgou que também compartilharia dados com as montadoras.
O órgão ainda analisa os pedidos de acesso feitos pelas empresas e, quase 1 ano após anunciar a iniciativa, disse que está “unindo esforços para concluir a análise com a maior brevidade possível” e que o compartilhamento de dados será substituído por um sistema de notificação de recalls que está sendo desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Não há uma data prevista para o lançamento do serviço.
A Toyota disse que está participando do programa piloto do Denatran e do Serpro.
Outras estratégias
A Honda diz estar em contato com outros Detrans para parceria semelhante com a que tem em São Paulo. Além disso, tem usado outros meios para chamar a atenção dos motoristas além dos convencionais.
Em Minas Gerais, a marca tem visitado casas de proprietários de carros envolvidos em recall, uma iniciativa ainda em fase experimental. Nesse caso, o endereço procurado é aquele que consta do banco de dados da montadora, normalmente referente ao primeiro dono.