Mortes causadas diretamente pelo uso de drogas lícitas e ilícitas aumentaram 60% entre 2000 e 2015

Comércio de medicamentos fortes usados para a dor puxa alta. Drogas usam o ópio como matéria-prima e foram responsáveis por 76% da mortes

Em todo o mundo, as mortes causadas diretamente pelo uso de drogas lícitas e ilícitas aumentaram 60% entre 2000 e 2015, diz o Relatório Mundial Sobre Drogas divulgado pela Organização das Nacões Unidas. Desse número, medicamentos de prescrição derivados do ópio respondem por 76% de todas as mortes relacionadas a drogas.

O levantamento também aponta alta na participação em faixas etárias mais elevadas. Pessoas com mais de 50 anos representaram 27% dessas mortes em 2000, percentual que aumentou para 39% em 2015. Segundo a ONU, o uso de medicamentos é o principal reponsável pelas mortes também nesse grupo.

"O uso não medicinal de medicamentos sob prescrição está se tornando uma enorme ameaça para a saúde pública", disse a entidade, em nota.

Já a cocaína e anfetaminas e derivados responderam por 6% das mortes cada uma no grupo de pessoas acima de 50 anos, diz a ONU.

Alguns analgésicos usados para o controle da dor tem o ópio como base. O fentanil, tipo de anestésico e analgésico, é um problema na América do Norte. Já o tramadol, usado para tratar dores moderadas e graves, é uma preocupação em partes da África e da Ásia.

A ONU salienta que o acesso ao fentanil e ao tramadol para usos medicinais é vital para o tratamento da dor crônica - o problema é a venda ilegal, com danos consideráveis à saúde.

Em outros países, diz a ONU, calmantes com tarja preta como os benzodiazepínicos também têm provocado mortes por overdoses e são um problema de saúde pública.

Das 450 mil mortes relacionadas a drogas em 2015, a maior parte (167.750), ocorreu por overdose, diz a ONU. Outras mortes estão indiretamente associadas, como HIV e Hepatite C adquiridas pelo uso de drogas injetáveis.

A circulação de medicamentos está em consonância com o peso que as drogas por receita está tendo nas mortes totais por drogas - segundo a ONU, a apreensão global de opioides farmacêuticos em 2016 foi de 87 toneladas, aproximadamente a mesma quantidade de heroína apreendida naquele ano.

Colômbia é a maior produtora de cocaína

Na outra ponta, a circulação de drogas ilícitas também está crescendo. "A manufatura global de cocaína alcançou, em 2016, seu nível mais alto de toda a história, com uma estimativa de produção de 1.410 toneladas", diz a ONU.

A Colômbia, segundo a entidade, continua sendo a maior produtora mundial. Regiões como África e Ásia, no entanto, estão emergindo como centros de tráfico e consumo da droga.

Também segundo a ONU, de 2016 a 2017, a produção global de ópio aumentou 65%, atingindo 10.500 toneladas.

Maconha é a droga mais consumida

O relatório aponta que 275 milhões de pessoas relataram o uso de drogas pelo menos uma vez em 2016. Dessas, 31 milhões relataram problemas e disfunções com o uso. "Isso significa que o uso é prejudicial ao ponto de ser necessário tratamento).

A cannabis foi a droga mais consumida em 2016, com 192 milhões de pessoas tendo-a utilizado ao menos uma vez ao longo do último ano. A entidade faz uma ressalva, no entanto, que o uso de drogas difere de pais para país e depende das circunstâncias sociais e econômicas.

O relatório concluiu também que o uso de drogas e os danos associados a ele são os mais elevados entre os jovens em comparação aos mais velhos. No entanto, o uso de drogas entre a geração mais velha (com 40 anos ou mais) tem aumentado a um ritmo mais rápido do que entre os mais jovens.

Relatório da entidade também mostrou que homens são os que mais usam drogas - embora as mulheres tenham padrões mais específicos de uso, com o uso mais elevado de calmantes. Elas representam 1 em cada cinco pessoas em tratamento.