Situação de aterros continua sem solução

A situação dos aterros de Marília que recebem lixo orgânico e materiais inservíveis continua precária e sem data para solução. No distrito de Lácio, onde a prefeitura instalou temporariamente um aterro para receber restos de material de construção, a situação é motivo de reclamação por parte dos moradores que são obrigados a conviver com constantes queimadas. O aterro de Lácio frequentemente é in

A situação dos aterros de Marília que recebem lixo orgânico e materiais inservíveis continua precária e sem data para solução. No distrito de Lácio, onde a prefeitura instalou temporariamente um aterro para receber restos de material de construção, a situação é motivo de reclamação por parte dos moradores que são obrigados a conviver com constantes queimadas.
O aterro de Lácio frequentemente é invadido pela fumaça decorrente das queimadas e os moradores do distrito afirmam que a situação  ficou insustentável desde o ano passado, quando o local passou a receber restos de material de construção. Além disso, é possível encontrar no local outros tipos de lixo como plástico, madeira e até lixo orgânico.
AVENCAS
Já o aterro de Avencas foi interditado pela Cetesb no ano passado e atualmente funciona como uma estação de transbordo do lixo orgânico. Todos os dias são coletadas na cidade cerca de 230 toneladas de lixo que são levadas em caminhões para usinas de Piratininga e Quatá.
A Prefeitura foi multada pela Cetesb e obrigada a instalar em Avencas uma plataforma de transbordo do lixo para evitar a contaminação do solo mas a obra ainda não ficou pronta. A Prefeitura já recebeu cinco multas da Cetesb em razão da situação dos aterros.
CRONOGRAMA
A Prefeitura informou em nota que as adequações solicitadas pela Cetesb na área de transbordo em Avencas estão sendo executadas conforme cronograma de obras e caixa financeiro da Prefeitura.
Segundo a Prefeitura,  o município assinou recentemente um “Consórcio Intermunicipal de Resíduos Sólidos”, que vai viabilizar a instalação de um aterro sanitário conjunto entre Marília, Presidente Prudente e pelo menos outras 10 cidades da região. Tudo com indicação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado.
Sobre a Coleta Seletiva e os ecopontos, eles estão em estudos avançados pela secretaria juntamente com o projeto de implantação de educação ambiental na Rede Municipal de Educação. Já em Lácio (aterro provisório de resíduos de construção civil) a  Prefeitura informou que a secretaria do Meio Ambiente e Limpeza Pública está dando manutenção no local, fazendo a limpeza semanalmente, junto com um funcionário da Prefeitura orientando e fiscalizando os descartes.