Desabastecimento já provoca fechamento de restaurantes; sindicato pede apoio ao MPF

O desabastecimento registrado em virtude da greve dos caminhoneiros já provoca o fechamento de lanchonetes e restaurantes da cidade. A falta de gás e de hortifrútis é apontada como a principal causa da inatividade destes estabelecimentos. De acordo com o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Marília e Região, Sinval Gruppo, comerciantes estão com dificuldades para preparar se

O desabastecimento registrado em virtude da greve dos caminhoneiros já provoca o fechamento de lanchonetes e restaurantes da cidade. A falta de gás e de hortifrútis é apontada como a principal causa da inatividade destes estabelecimentos.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Marília e Região, Sinval Gruppo, comerciantes estão com dificuldades para preparar seus produtos alimentícios e garantir um atendimento de qualidade aos seus clientes. “O gás é importante para o preparo de alimentos, mas também é utilizado para o aquecimento de água dos hotéis, por exemplo”, explicou.
Somado a estes problemas está a queda no movimento dos estabelecimentos do gênero, uma vez que as pessoas estão evitando sair de casa de noite para economizar combustível. “A situação está muito difícil para muitos comerciantes”.
Segundo Sinval, existe sim o risco de empresas terem de fechar as portas definitivamente por causa do desabastecimento. “Fica complicado principalmente para aqueles que não dispõem de algumas reservas”.
Para amenizar a crise de abastecimento entre hotéis, bares, restaurantes e similares, o presidente do sindicato apelou para o MPF (Ministério Público Federal). “Pedi para que eles interfiram e tragam combustível e ajudem a liberar gás de cozinha e produtos alimentícios para os estabelecimentos comerciais de Marília”.