Famema faz conscientização em Dia Internacional

A Famema (Faculdade de Medicina de Marília) lançou ontem uma campanha de conscientização sobre o Lúpus, uma doença inflamatória autoimune. A proposta é marcar o Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus (10 de maio) com divulgações em mídia e nas redes sociais. A Sociedade Brasileira de Reumatologia coordena a campanha de conscientização sobre a doença no Brasil e desenvolveu material inform

A Famema (Faculdade de Medicina de Marília) lançou ontem uma campanha de conscientização sobre o Lúpus, uma doença inflamatória autoimune. A proposta é marcar o Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus (10 de maio) com divulgações em mídia e nas redes sociais.
A Sociedade Brasileira de Reumatologia coordena a campanha de conscientização sobre a doença no Brasil e desenvolveu material informativo e educativo para divulgação.
“Estamos empenhados na realização da campanha em Marília, visando principalmente conscientização da população sobre a doença”, enfatizou o docente da disciplina de Reumatologia da Famema, César Emile Baaklini.
O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença autoimune ainda sem cura conhecida. Está associada à formação de anticorpos que, em vez de proteger a pessoa, agridem o seu organismo, formando manchas na pele que pioram quando pela exposição ao sol, dores ou inchaços nas articulações e feridas na boca.
A doença atinge principalmente as mulheres jovens, em idade fértil. Pode causar também cansaço, febre, anemia e perda de cabelos. E, em casos mais graves, sangramentos por diminuição das plaquetas, inchaço no corpo, pressão alta, perda função dos rins, alterações psíquicas, convulsões e agravos que atingem também coração, pulmão e cérebro.
No entanto, o Lúpus pode ter um curso suave e não incomodar o seu portador. Existem casos, inclusive, em que fica restrito à pele. As indicações são de tratamento precoce, com acompanhamento do médico reumatologista.
Pesquisadores acreditam que o Lúpus aparece em uma pessoa que tem predisposição genética quando exposta a determinados agentes do meio ambiente que “despertam” a doença (luz do sol, certos medicamentos, uso de hormônios e algumas infecções).