Sessão solene na Câmara Municipal celebra meio século de existência da Apae de Marília

Em sessão solene realizada na noite de ontem (11), na Câmara Municipal, foi celebrado meio século de existência da Apae (Associação de Pais e Amigos de Excepcionais). A atual diretoria e ex-presidentes da entidade foram homenageados na cerimônia, que contou com a participação de grande quantidade de funcionários da associação. Um dos ex-presidentes e atualmente tesoureiro da Apae, Ivan Zochio diss

Em sessão solene realizada na noite de ontem (11), na Câmara Municipal, foi celebrado meio século de existência da Apae (Associação de Pais e Amigos de Excepcionais). A atual diretoria e ex-presidentes da entidade foram homenageados na cerimônia, que contou com a participação de grande quantidade de funcionários da associação.
Um dos ex-presidentes e atualmente tesoureiro da Apae, Ivan Zochio disse que é um marco para a entidade chegar aos 50 anos. “Nos deixa emocionados saber que demos e continuamos dando a nossa contribuição, desde a fundadora Maria Luiza Barros em 11 de maio de 1968. Hoje são 420 alunos atendidos em dois períodos”.
Ex-presidente e atualmente vice-presidente da Apae, João Adelmo Foresto lembrou do reconhecimento da sociedade a uma entidade que desenvolve importante papel na sociedade. “A Apae amplia a cada dia sua capacidade de atendimento e vem crescendo ao longo dos anos. Agradecemos a população e a Câmara Municipal pela homenagem”.
O presidente da entidade, Marcos Antônio Carchedi, afirmou que nada melhor do que comemorar os 50 anos na Casa do Povo. “Os vereadores são os dignos representantes da sociedade. É um momento de muita emoção para nós”.
Autor do requerimento que garante a homenagem à Apae, o vereador Marcos Rezende (PSD) disse que 50 anos de história não são 50 dias. “Ao longo desta trajetória de dedicação e auxílio, de proteção e crescimento, a Apae vem incluindo pessoas com deficiência intelectual, múltiplas deficiências e transtornos globais de desenvolvimento, atuando em todas as fases de suas vidas: da infância ao processo de envelhecimento. Temos que homenagear pessoas abnegadas que doaram seu tempo como voluntárias de uma entidade tão importante”.
A entidade
A Apae surgiu justamente a partir da necessidade de alguns pais de crianças com deficiência que, quando chegavam à idade escolar, não conseguiam matriculá-las em unidades de ensino regulares.
Com o apoio da Unesp local e numa interação primordial com as Apaes de São José do Rio Preto e São Paulo, a fundadora Maria Luiza de Barros, juntamente com pais e voluntários da época, viabilizou o funcionamento em um prédio cedido pelo governo estadual. Este prédio ficava na rua Catanduva, n.º 611.
O aumento da demanda fez com que a escola saísse da rua Catanduva e se mudasse para um prédio cedido pela municipalidade na rua Bonfim. Em 1976, a Apae passou a funcionar em sua sede própria, no prédio localizado na rua Raul Torres, n.º 70, no bairro Fragata, em terreno cedido pelo Município. Atualmente possui ampla estrutura, com mais de 18 mil metros quadrados, sendo 9 mil metros quadrados de área construída.
Reconhecimento aos ex-presidentes
Durante a sessão solene de ontem, foram homenageados os ex-presidentes da Apae: Luiz Braz Mazzafera, Marcelino Medeiros (in memoriam),  Thomaz Rodolpho, Rene Paschoalick, Wilson José Teixeira, Victor Carlos Monteiro Paiva, Ivan Jacinto Zochio, Pedro Geraldo Pinto Figueira e João Adelmo Foresto, além do atual presidente Marcos Antônio Carchedi.