Desempregado é condenado a 12 anos de prisão por assassinato de empresário

Em julgamento que terminou na noite de quinta-feira (3) o desempregado Maycon Paulino Costa da Silva foi novamente condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato do empresário Ícaro Magalhães Polidoro, de 23 anos, em crime ocorrido em setembro de 2012, em uma transportadora na rua Guilherme Scheffer Neto, no bairro Jóquei Clube, na zona Sul da cidade. Silva havia sido julgado em

Em julgamento que terminou na noite de quinta-feira (3) o desempregado Maycon Paulino Costa da Silva foi novamente condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato do empresário Ícaro Magalhães Polidoro, de 23 anos, em crime ocorrido em setembro de 2012, em uma transportadora na rua Guilherme Scheffer Neto, no bairro Jóquei Clube, na zona Sul da cidade.
Silva havia sido julgado em março do ano passado pelo Tribunal do Júri de Marília. Após nove horas, os jurados acolheram a tese do Ministério Público (MP) e condenaram o réu a 12 anos de prisão em regime fechado pelo crime de homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima).
O advogado José Luiz Mansur Junior apelou da decisão e teve o recurso aceito pelos desembargadores da 3ª Câmara Criminal – Ruy Alberto Leme Cavalheiro, Airton Vieira e Álvaro Castello – que determinaram a anulação do primeiro julgamento e a realização de um novo júri popular.
No julgamento de quinta-feira, o promotor de Justiça, Rafael Abujamra, mais uma vez pediu aos jurados a condenação do réu pelo crime de homicídio duplamente qualificado. Já o advogado de defesa argumentou pela retirada das agravantes do delito e que fosse beneficiado pela tese de que o assassinato foi cometido após violenta emoção.
Por maioria de votos os jurados acolheram a tese do Ministério Público (MP) e condenaram o réu. O juiz Luís Augusto da Silva Campoy aplicou a pena de 14 anos de reclusão em regime fechado, mas a reduziu para 12 em virtude das atenuantes de confissão e menoridade de 21 anos.
Caso – Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia 18 de setembro de 2012, por volta das 10h30, o acusado parou a motocicleta em frente à transportadora perguntando a funcionários por Polidoro. O empresário deixou o escritório e quando se aproximava foi alvejado por seis disparos de arma de fogo que atingiram tórax e mãos.
O empresário sofreu ferimentos graves e chegou a ter parada cardiorrespiratória ainda no local. Polidoro recebeu atendimento de médicos do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e foi socorrido para o Hospital das Clínicas (HC), mas não resistiu e deu entrada no pronto-socorro já sem vida.
Após o crime, Silva fugiu com a motocicleta em direção à Rodovia do Contorno (SP-294). O crime teria motivações passionais. A pivô do assassinato seria a ex-namorada do desempregado, que mantinha um relacionamento amoroso com o empresário.