Jovem mariliense passa por transplante em Jáu

O jovem mariliense Edio de Marchi Sandalo, que luta contra a leucemia há quase um ano, passou por transplante de medula óssea ontem, em Jaú. O procedimento correu bem e os próximos dias serão cruciais na adaptação do organismo do paciente, que é estudante de Direito do Univem. A população local se mobilizou em apoio à família e em campanhas sociais para levantar fundos. O acadêmico de 20 anos rece

O jovem mariliense Edio de Marchi Sandalo, que luta contra a leucemia há quase um ano, passou por transplante de medula óssea ontem, em Jaú. O procedimento correu bem e os próximos dias serão cruciais na adaptação do organismo do paciente, que é estudante de Direito do Univem. A população local se mobilizou em apoio à família e em campanhas sociais para levantar fundos.
O acadêmico de 20 anos recebeu o diagnóstico em junho do ano passado, após o surgimento de manchas arroxeadas pelo corpo. Desde então, ele passou por várias etapas do tratamento e pela busca de um doador compatível para o transplante.
Entre os familiares não houve compatibilidade e chegou a haver campanha pelo cadastro de doadores, motivada pela determinação de Edio e sua família. Após o encontro de um doador compatível, o tratamento seguiu até que o jovem estivesse apto a receber a medula, o que aconteceu ontem, no Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, onde o paciente está internado atualmente.
O procedimento correu dentro do esperado pela equipe médica e os próximos dias serão fundamentais na adaptação ao transplante e retomada da produção de células do sangue. A estadia do paciente e acompanhante (s) em Jaú ainda é por tempo indeterminado e muitas campanhas sociais feitas em Marília ajudam a família a custear todas as idas e vindas ao Hospital Amaral Carvalho, assim como parte dos medicamentos e a permanência nessa cidade pelo tempo que for necessário.
Houve venda de pizza, rifas, feira da sobremesa e outras ações. Independente de o tratamento ter cobertura SUS e de planos privados, há muitos gastos adicionais quando uma família recebe um diagnóstico grave e a solidariedade mariliense apoiou a família não só econômica, mas emocionalmente.
Doação de Medula Óssea
Antes de passar pelo transplante, Edio de Marchi Sandalo integrou a lista de pacientes do Rereme (Registro de Receptores de Medula Óssea). E chegou a fazer um apelo nas redes sociais e mídia por mais cadastros de medula óssea em prol de todos os pacientes que aguardam um doador compatível. 
A campanha do jovem surtiu grande efeito, com aumento significativo, na ocasião, de cadastros de voluntários como doadores. A partir do preenchimento da ficha e da coleta de material sanguíneo, os dados dos candidatos são enviados ao Redome (Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea) e ficam disponíveis para serem cruzados com as informações genéticas de todos os pacientes, na busca da compatibilidade com algum deles.
O gerente de Qualidade do Hemocentro de Marília, Rafael José da Silva, explicou que se houver compatibilidade, o candidato é convidado a uma nova coleta para confirmação e só fará a doação se quiser, mas o Redome precisa cadastrar pessoas conscientes para evitar mudança de postura quando, e se, surgir um paciente compatível.
Não existe doação direcionada no caso da medula óssea, ou seja, feita somente com o interesse na compatibilidade com determinado paciente. “A compatibilidade pode ou não ocorrer. Mas temos orientado as pessoas que nos procuram para que realmente estejam abertas a salvar uma vida, porque seus cadastros ficarem disponíveis no sistema do Redome até os 65 anos de idade”, mencionou Silva durante a campanha por doação de medula.
Edio Sandalo passou pelo transplante ontem, mas há muitos pacientes aguardando um doador compatível. Quanto mais voluntários se cadastrem, maiores as chances dessas vidas serem salvas. A medula do doador se refaz completamente em poucos dias após o transplante. 
O Redome tem 4.376.088 candidatos e os receptores de medula ainda podem contar com os bancos de dados do mundo todo. No entanto, os números parecem reduzidos quando considerada a chance de compatibilidade para o paciente, que é de uma em cem mil cadastros.
Interessados podem se cadastrar a qualquer tempo. O Hemocentro fica na Rua Lourival Freire, nº 240, ao lado do Fórum, no bairro Fragata. O horário de atendimento ao público é das 7h às 13h de segunda a sábado. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3402-1850.