ACC prevê queda de arrecadação de R$ 186 mil

A ACC (Associação de Combate ao Câncer) prevê uma queda de arrecadação de R$ 186 mil em 2018. A perda da Nota Fiscal Paulista, pelas mudanças no processo de doação das notas pelos contribuintes, é a mais preocupante. Ontem, a entidade lançou a campanha Juntos Somos Mais, para conquistar o apoio da população na cidade e região. O objetivo é conseguir sócios doadores que contribuam com repasses fixo

A ACC (Associação de Combate ao Câncer) prevê uma queda de arrecadação de R$ 186 mil em 2018. A perda da Nota Fiscal Paulista, pelas mudanças no processo de doação das notas pelos contribuintes, é a mais preocupante. Ontem, a entidade lançou a campanha Juntos Somos Mais, para conquistar o apoio da população na cidade e região. O objetivo é conseguir sócios doadores que contribuam com repasses fixos a partir de R$ 20,00.
A ACC teve uma arrecadação de R$ 568.361,00 em 2017 e calcula um montante de R$ 381.510, 22 para 2018. A projeção negativa se baseia nas perdas de doações recebidas no ano passado que não estão computadas neste ano e na redução de 95% da Nota Fiscal Paulista (percentual estimado até o final do ano).
A diferença de mais de cem mil reais vai trazer impacto no atendimento da entidade, presta uma gama de serviços a pacientes com câncer de 62 municípios da região, incluindo Marília. “No ano passado investimos R$ 318 mil somente em suplementos e medicamentos”, frisou a presidente da entidade, Maria Antonia Antonelle.
Por conta desse alto gasto e diante da redução de receita, a entidade optou por cortar esse fornecimento para pacientes da região, restringindo a entrega de medicamentos e suplementos a pacientes de Marília. A medida é provisória. A ACC tenta obter maior apoio da população e poder público das demais cidades da região para retomar essa entrega. Em Marília a Prefeitura contribui com R$ 43.200,00 por ano.
Os demais serviços e doações continuam abertos a toda a região, independente da ACC conseguir reverter a queda na arrecadação. São eles nutrição, assistência social, psicologia, fisioterapia, odontologia (via parceria com Unimar). Além do empréstimo de cadeira de rodas, muletas, camas hospitalares, cadeiras de banho, colchões “casca de ovo” e perucas de cabelo natural. E doação de leite, próteses, fraldas, cestas básicas. A ACC também mantém projetos de autoestima e oferece a Casa Apoio (em espaço anexo à entidade), com toda estrutura de um lar e quatro refeições diárias para os pacientes de fora ficaram com acompanhante durante o tratamento mais intenso, não tendo que ir e vir para suas cidades.
Para manter todas as atividades e reverter a queda na arrecadação, a associação lançou ontem a campanha Juntos Somos Mais. O objetivo é sensibilizar e conquistar o apoio da população para doações fixas. “Talvez as pessoas não imaginem, mas R$ 20,00 mensais pode ajudar muito a fazer a diferença. A ACC é uma entidade da população e conta com ela”, mencionou a presidente. As doações a partir de R$ 20,00 podem ser feitas por boleto ou carnê, com prazo de inicial de um ano, podendo ser renovado enquanto o sócio doador concordar. A entidade tem sede na rua Marrey Junior, nº 101, no bairro Fragata. O telefone é 3454-5660.