Terremoto causa abalo sísmico em Marília

O terremoto de magnitude 6,8 que aconteceu ontem de manhã com epicentro na Bolívia causou um abalo sísmico em várias cidades do Brasil, incluindo Marília. As trepidações foram sentidas em pelo menos cinco prédios, entre eles a Prefeitura e a Receita Federal. Segundo a Defesa Civil Municipal, não houve danos estruturais e nenhuma edificação foi interditada. Ninguém se feriu. Às 10h45 de ontem o pr

O terremoto de magnitude 6,8 que aconteceu ontem de manhã com epicentro na Bolívia causou um abalo sísmico em várias cidades do Brasil, incluindo Marília. As trepidações foram sentidas em pelo menos cinco prédios, entre eles a Prefeitura e a Receita Federal. Segundo a Defesa Civil Municipal, não houve danos estruturais e nenhuma edificação foi interditada. Ninguém se feriu.
Às 10h45 de ontem o prédio da Prefeitura, na avenida Sampaio Vidal, foi evacuado porque os servidores municipais que trabalham no local sentiram o tremor. Segundo os relatos foram segundos de trepidação de móveis, estalos, movimento de piso e parede e tontura. Nos primeiros minutos a causa não era conhecida, mas logo após a Administração Municipal ter informado o Corpo de Bombeiros do problema, soube-se do terremoto na Bolívia.
“Nos últimos andares, quinto e sexto, o tremor foi maior, mas outros servidores também sentiram o movimento no prédio. No Gabinete não percebemos nada, mas todos deixaram o prédio para a vistoria do Corpo de Bombeiros e da equipe municipal de engenheiros”, disse o prefeito Daniel Alonso.
Não houve feridos nem danos estruturais na Prefeitura ou no prédio anexo, onde funciona a Câmara, mas mesmo assim os funcionários que atuam no local foram liberados do trabalho ontem e a sessão de vereadores foi transferida para hoje à noite.
A auxiliar de escrita Márcia Reis trabalha no sexto andar da Prefeitura e contou que o primeiro sinal de tremor foi ver a colega de trabalho balançando. “Imediatamente sentimos tudo tremendo e começamos a deixar o prédio. Embora tenha sido assustador, não houve tumulto”.
Demais edificações
 de Marília
O abalo sísmico também foi sentido na Delegacia da Receita Federal, na avenida Sampaio Vidal; no Edifício Residencial Sagres, que fica na rua Amazonas; no Centro Comercial Amazonas, na esquina dessa via com a avenida Ipiranga; e no Edifício Clipper (comercial e residencial), na rua Maranhão.
A Defesa Civil informou que não houve danos estruturais em Marília. E segundo a sessão de Comunicação Social do Corpo de Bombeiros, a cidade foi a única da área de abrangência do 10º Grupamento (48 municípios) a registrar o abalo sísmico.
O técnico do Centro de Sismologia da USP, José Roberto Barbosa, explicou que é normal que o abalo sísmico seja sentido em determinados pontos e em outros não. “A rocha sedimentar, por exemplo, amplifica o sinal da vibração. O temos é sentido mais ou menos dependendo dos ângulos de propagação, das condições do solo, entre outros fatores. Os edifícios funcionam como um pêndulo invertido e, por isso, os andares mais altos costumam sentir mais as oscilações”.
Foi o caso da estagiária de advocacia Jéssica Brilhante e outros profissionais que trabalham no décimo andar do Centro Comercial Amazonas. “Foi um tremor forte e durou mais ou menos trinta segundos. Chegamos a ter bastante tontura e descemos todos pelas escadas”, contou.
Segundo o engenheiro e síndico, Roberto Monteiro, o prédio foi avaliado em seguida pelos engenheiros responsáveis e não houve danos estruturais. Nas demais edificações também não. No Edifício Sagres, os moradores nem precisaram evacuar os 42 apartamentos distribuídos em 11 andares.
Terremoto e
 impacto no Brasil
Houve registro de abalo sísmico nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil. Principalmente em São Paulo, Paraná e Distrito Federal. Segundo o USGS, serviço geológico dos EUA, o terremoto aconteceu às 9h40 pela hora local (10h40 de Brasília) e teve epicentro no sul boliviano, a 13 km de uma localidade chamada Carandayti, com uma profundidade de 557 km. O jornal local “El Deber” informou que, pela força do abalo, ele foi sentido também em regiões mais ao norte do país, como Cochabamba. A região do epicentro é próxima do norte paraguaio.