PM mariliense homenageado pela SWAT faz campanha para novo curso nos Estados Unidos

O policial militar mariliense Renato Tarocofoi homenageado pela Swat por seu ato de bravura que há quase três anos mudou sua vida e o tornou conhecido no país. Afastado de suas funções por lesões permanentes, ele agora quer fazer curso nos Estados Unidos e lançou campanha em rede social para obter os valores para viagem e estadia. No dia 20 de abril de 2015, Taroco levantou uma viatura em chamas p

O policial militar mariliense Renato Tarocofoi homenageado pela Swat por seu ato de bravura que há quase três anos mudou sua vida e o tornou conhecido no país. Afastado de suas funções por lesões permanentes, ele agora quer fazer curso nos Estados Unidos e lançou campanha em rede social para obter os valores para viagem e estadia.

No dia 20 de abril de 2015, Taroco levantou uma viatura em chamas para salvar dois policiais militares que, durante uma operação, se envolveram em acidente numa rodovia em Paraguaçu Paulista. Um deles morreu, mas o outro foi resgatado.

Durante o resgate, Taroco sofreu lesões permanentes que o afastaram das atividades de campo na PM. Agora, ele faz apenas serviços administrativos. Entretanto, por seu ato de bravura, Taroco tornou-se vencedor de um prêmio nacional conhecido como “Heróis Reais”.

A vitória na disputa nacional, conquistada por meio de votação popular, com cerca de 1,3 milhão de votos, garantiu a Taroco como prêmio uma viagem aos Estados Unidos para conhecer a SWAT, a tradicional e especializada polícia norte-americana.

Em Beaumont, no Texas (EUA), o mariliense atingiu o ápice das homenagens e tornou-se o primeiro policial brasileiro a receber um “certificado de reconhecimento” assinado pelo tenente Kelly Cole, comandante da SWAT.

Além do certificado, Taroco também ganhou um curso de treinamento de táticas policiais ministrado por oficiais da SWAT, a unidade de elite de polícia dos EUA altamente especializada e treinada para operações de alta complexidade.

Agora, Taroco planeja se tornar uma espécie de “instrutor" para poder compartilhar com seus parceiros da PM o que aprendeu nos treinamentos que fez nos EUA.

Para manter seu sonho, o policial lançou em suas redes sociais uma campanha para voltar ao Texas. Ele explica que foi convidado por Kelly Cole, da SWAT, para mais um período de treinos especializados em táticas policiais, previsto para este mês de abril.

O treinamento, conhecido como “Super SWAT”, é mais avançado, terá 25 dias de duração e aulas também na unidade de Dalas. O policial tenta arrecadar cerca de R$ 15 mil para a viagem.

Ato de bravura– Em abril de 2015, Taroco estava de plantão em Oscar Bressane, quando uma ocorrência em Echaporã mobilizou o efetivo da região.

Um homem havia esfaqueado a mulher e fugiu de carro na rodovia. Taroco e outro PM foram acionados para a perseguição, que ocorreu até Paraguaçu Paulista. Uma viatura da cidade foi dar apoio quando o suspeito jogou o carro contra ela.

Na batida, a viatura pegou fogo e Taroco precisou erguê-la para retirar os parceiros. Os dois policiais que estavam na viatura atingida foram levados para o hospital. Um deles morreu, assim como o motorista do carro que teria provocado o acidente após a perseguição.

Renato Taroco, que está na PM há 13 anos, passou por três cirurgias por conta das lesões que causaram comprometimento das funções no braço (40% de perda), na perna direita (75%) e na coluna (50%).