Força Tática flagra ajudante de pintor com drogas e munições no CDHU da zona Sul

Ação de policiais militares da Força Tática prendeu o ajudante de pintor Herbert Custódio da Silva e Souza, de 32 anos, na noite de quinta-feira (22) no conjunto de apartamentos da CDHU, na zona Sul. Ele foi flagrado com porções de maconha, cocaína e crack, além de munições. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), por volta das 21h30, os policiais militares foram acionados para o local

Ação de policiais militares da Força Tática prendeu o ajudante de pintor Herbert Custódio da Silva e Souza, de 32 anos, na noite de quinta-feira (22) no conjunto de apartamentos da CDHU, na zona Sul. Ele foi flagrado com porções de maconha, cocaína e crack, além de munições.

De acordo com informações da Polícia Militar (PM), por volta das 21h30, os policiais militares foram acionados para o local para atender ocorrência de pessoa ferida por disparo de arma de fogo.

Ao entrar em um dos blocos de apartamento, os policiais surpreenderam dois indivíduos em atitude suspeita. Ao notar a aproximação, um dos homens abandonou uma sacola com 192 pinos de crack, 37 de cocaína e uma balança e não foi mais localizado.

Souza também tentou fugir, mas foi detido. Com o ajudante de pintor foi encontrada uma sacola na cintura com 82 trouxinhas de maconha e quatro munições de calibre 357. 

O ajudante de pintor também estava com uma chave que abriu cadeado de uma das caixas de energia do bloco de apartamento. No local foi encontrada uma mochila que armazenava mais 220 porções de maconha e uma balança de precisão.

Souza foi indiciado em flagrante pelos crimes de tráfico de entorpecentes e posse ilegal de munição, e recolhido para a penitenciária de Marília. Em caso de condenação, o ajudante de pintor pode pegar uma pena de até 21 anos de reclusão em regime fechado.

Histórico – Souza é considerado criminoso de alta periculosidade pela polícia de Marília. Em abril de 2011 ele integrou quadrilha armada que participou do resgate frustrado de presos na cadeia de Garça. Na ação criminosa, um policial militar foi baleado de raspão.

O ajudante de pintor foi julgado pelo Tribunal do Júri de Marília em março de 2016. Souza foi condenado a 15 anos de prisão em regime fechado pelos crimes de tentativa de homicídio, posse de arma de fogo, adulteração de sinal identificador de veículo e receptação. Ele recorria dessa decisão em liberdade.