Polícia Civil prende acusadas de morte de representante comercial

As desempregadas Silvia Regina Evaristo da Silva, de 23 anos, a “Arlequina”, e Caroline Rosana Joca, de 20 anos, a “Carol”, foram presas pela Polícia Civil acusadas do latrocínio do representante comercial Silvio César Soares Júlio, de 47 anos, em crime ocorrido na madrugada de quinta-feira (22) no Jardim Marília, na zona Oeste da cidade. Segundo o delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerai

As desempregadas Silvia Regina Evaristo da Silva, de 23 anos, a “Arlequina”, e Caroline Rosana Joca, de 20 anos, a “Carol”, foram presas pela Polícia Civil acusadas do latrocínio do representante comercial Silvio César Soares Júlio, de 47 anos, em crime ocorrido na madrugada de quinta-feira (22) no Jardim Marília, na zona Oeste da cidade.

Segundo o delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), Valdir Tramontini, perícia técnica no equipamento que armazenava as imagens de câmera de segurança da residência na rua Prudente de Moraes identificou que duas mulheres estiveram no imóvel antes do crime.

“Uma das acusadas se apresentou espontaneamente confessando o crime e a outra foi presa em residência na rua Ribeirão Preto. Elas disseram que conheciam a vítima e em comum acordo resolveram marcar um encontro para roubá-lo. As indiciadas e o Silvio chegaram a comer uma pizza no imóvel”, disse.

A investigação apontou que as acusadas seduziram a vítima, fazendo com que ela tirasse as roupas e consentisse ter as mãos e pé amarrados, além dos olhos cobertos por uma máscara para dormir. “Elas prometeram realizar um strip-tease e outras práticas sexuais com a vítima”, disse.

Após isso uma das acusadas sentou sobre as mãos e barriga do representante comercial e tentou sufocá-lo com um travesseiro. As desempregadas encontraram no imóvel uma espada samurai e aplicaram diversos golpes pelo corpo de Júlio.

“As indiciadas juntas deram a primeira estocada no abdômen e em seguida coube a Sílvia aplicar outras dezenas de golpes na vítima”, relatou Tramontini.

Com o representante comercial já morto, as desempregadas roubaram diversos objetos de valor da residência. Antes de fugir, elas cobriram o rosto da vítima com uma jaqueta de couro, jogaram álcool no corpo e sofá, e atearam fogo. “Durante a ação criminosa, o representante comercial pediu para ter sua vida poupada, pois tinha filhos”, disse o delegado.

Os policiais civis recuperaram parte dos produtos roubados nas casas das acusadas. “As duas indicaram e conseguimos apreender um aparelho de DVD, videogame, notebook e um modem”, afirmou.

As desempregadas tiveram as prisões temporárias decretadas por 30 dias e foram recolhidas para a cadeia feminina de Pirajuí. Elas devem ser indiciadas pelo crime de latrocínio e podem pegar uma pena de até 30 anos de reclusão em regime fechado.

“Chamou atenção que durante o depoimento Caroline mostrou arrependimento de cometer o crime, enquanto Silvia relatou os fatos com enorme frieza”, finalizou o delegado.