MAC tem o pior início na história da A-3 e só supera começo de 2015

Novo reforço, meia-atacante Rafael Branco, de 25 anos, estava sem clube e ano passado foi rebaixado na A-3 com o Paulista de Jundiaí

Dois pontos conquistados em cinco jogos (dois empates e três derrotas) e vice-lanterna no Campeonato Paulista da Série A-3. Desde que a 3ª Divisão estadual ganhou essa nomenclatura em 1994, o Marília Atlético Clube (MAC) participa pela 8ª edição e tem de momento o pior início de sua história, inferior até ao ano do rebaixamento de 1996, já que nas cinco primeiras rodadas na época, o time havia somado nove pontos (três vitórias e duas derrotas).

Somente em 2001, curiosamente ano em que conquistou o acesso para a Série A-2, o Alviceleste também não venceu as cinco primeiras partidas na A-3, mas tinha um ponto a mais que a equipe atual (três empates e duas derrotas). No ano passado, apesar do Marília ter chegado à última rodada com chances de queda, sob o comando de Luciano Quadros, o clube tinha somado sete pontos nas primeiras cinco rodadas.

O melhor início maqueano em uma Série A-3 foi com o técnico Guilherme Alves em 2013, ano do acesso (conquistado no final pelo técnico Luís dos Reis), em que a equipe ficou invicta nos cinco primeiros jogos, com: quatro vitórias, um empate e 13 pontos somados.

Se analisarmos os últimos dez anos de estaduais de todas as divisões, disputados pelo MAC, a campanha inicial atual só é superior a do Paulistão de 2015, quando o time foi rebaixado sem ganhar nenhuma partida. Nos cinco primeiros jogos, apenas um ponto foi conquistado. Na Série A-1 de 2009, em que o Alviceleste também amargou a queda, o rendimento era o mesmo de 2018 (dois empates e três derrotas).

Reforço

Por indicação do técnico Luiz Carlos Ferreira, ontem, a diretoria do Marília apresentou o meia-atacante Rafael Branco, de 25 anos, que estava sem clube e no ano passado foi rebaixado com o Paulista de Jundiaí na Série A-3. O jogador assinou contrato pela manhã, fez exames médicos e treinos físicos à tarde, e de noite viajou para Leme, onde a delegação maqueana se encontra, para a partida de amanhã, às 17h, contra o São Carlos, fora de casa.

“O Ferreira me procurou na última quarta-feira. Trabalhei com ele 2012 e 2013 no Juventus. Me ligou, perguntou como eu estava fisicamente, se aguentava a pegada da A-3. Disse para contar comigo e o acerto foi rápido. Espero poder estrear o quanto antes”, declarou o novo reforço. Ontem mesmo, a diretoria maqueana já encaminhou a documentação do atleta para a Federação Paulista de Futebol (FPF). O jogador precisa estar no BID da entidade até as 18h de hoje, para jogar no sábado.

Apesar da empolgação para poder estrear, Rafael Branco reconheceu que não está na situação física ideal para desempenhar seu melhor futebol. “Treinar sozinho como fiz durante todo esse tempo, não é a mesma coisa que se treinasse com uma equipe. Porém, eu tenho um amigo preparador físico com quem eu mantive a forma. Sei que não é o ideal, mas acho que aguento jogar os 90 minutos se o treinador optar por mim”, explicou.

Apesar da queda na A-3 do ano passado, Rafael Branco tem dois acessos nesta divisão com o Juventus: em 2012 com Ferreira e 2015. O jogador começou a carreira na base do Desportivo Brasil e também chegou a jogar pelo União São João de Araras (2014). Além da documentação do meia-atacante, Ferreira pediu a inscrição do volante Pablo, de 20 anos, que chegou ao clube na última terça-feira. O jogador defendeu o XV de Piracicaba em 2017 e estava treinando no Votuporanguense (A-2). O reforço também viajou para Leme.

Restam agora duas vagas para preencher o elenco do Marília de 28 atletas, sendo uma vaga para goleiro. De acordo com o gerente de futebol Jorge Rauli, o treinador quer mais um meia ou atacante. Para a partida de sábado em São Carlos, Luiz Carlos Ferreira não poderá repetir a escalação por conta da suspensão pelo terceiro cartão amarelo, do volante Jonathan Almeida. Matheus Alexandre, Miguel, Hebert e Wallace Rato são as opções para a posição. Hoje à tarde, em Leme, acontece o último treino antes do jogo.

 

 

Todos os 5 primeiros jogos do MAC em A-3:

 

1995 – 11 pontos (3 vitórias e 2 empates)

1996 – 9 pontos (3 vitórias e 2 derrotas)

2000 – 11 pontos (3 vitórias e 2 empates)

2001 – 3 pontos (3 empates e 2 derrotas)

2012 – 4 pontos (1 vitória, 1 empate e 3 derrotas)

2013 – 13 pontos (4 vitórias e 1 empate)

2017 – 7 pontos (2 vitórias, 1 empate e 2 derrotas)

 

2018 – 2 pontos (2 empates e 3 derrotas)