Centro da Unesp usa vídeo game na reabilitação de crianças

O CER (Centro Especializado de Reabilitação) da Unesp de Marília, vem realizando um trabalho inovador na recuperação de crianças com limitações motoras. Inserido na área de terapia ocupacional, a Gameterapia utiliza o videogame para ajudar principalmente crianças com paralisia cerebral a recuperar movimentos e conquistar autonomia. Atualmente 17 crianças utilizam a Gameterapia como terapia comple

O CER (Centro Especializado de Reabilitação) da Unesp de Marília, vem realizando um trabalho inovador na recuperação de crianças com limitações motoras. Inserido na área de terapia ocupacional, a Gameterapia utiliza o videogame para ajudar principalmente crianças com paralisia cerebral a recuperar movimentos e conquistar autonomia.
Atualmente 17 crianças utilizam a Gameterapia como terapia complementar aos demais atendimentos que recebem no CER. A professora Aila  Dahwache  Criado Rocha, da área de terapia ocupacional e coordenadora do Latai (Laboratório de Estudos em Tecnologia Assistida, Acessibilidade e Inclusão), explica que o projeto utilizando videogames teve início há dois anos e há pouco mais de um ano ganhou estrutura própria para o atendimento.
O Latai é destinado a apoiar o desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão, relacionadas ao desenvolvimento humano; ao acesso do indivíduo nas atividades dos diferentes contextos, como domicilio, escola, atividades de lazer, entre outros.
A professora Aila Rocha explica que o videogame contribui para o desenvolvimento de crianças com limitações motoras por ser um recurso motivador, já que através do videogame a criança consegue realizar ações que necessitam de desempenho motor, sensorial, de raciocínio e concentração.
Evidências científicas identificam a terapia com games ou terapia de realidade virtual, como uma abordagem inovadora, onde é possível a interação entre o jogo e o usuário, envolvendo a simulação de atividades em tempo real via múltiplos canais sensoriais.
A gameterapia do Latai atualmente atende crianças de 3 anos até adolescente com 17 anos. “Não temos mais horários vagos. A ‘game’ também é importante porque motiva os pacientes a virem para terapia, eles gostam muito”, disse a professora.
A sala especial para gameterapia foi viabilizada através de doação do Grupo de Amigos “Murcegos”.  O grupo promove anualmente um almoço beneficente com objetivo de contribuir com projetos e instituições de Marília e doou para o Latai uma TV, um videogame da marca Xbox 360 equipado com Kinect, estabilizador de tensão e vários jogos para a criação da sala.  Quem acompanha o atendimento dos filhos no CER aprova o trabalho. Eduardo Massaretti Gianini, mantém o filho Guilherme de 7 anos na gameterapia há um ano. Gilherme tem paralisia cerebral e o uso do videogame vem ajudando a  ganhar mais autonomia nos movimentos. “Percebemos que ele melhorou a coordenação motora, a sensibilidade para pegar os objetos e a interação”, disse o pai.
REFERÊNCIA
Inaugurado há dois anos, o CER da Unesp de Marília atende crianças e adultos com deficiência auditiva, física, visual e sensorial, além de crianças com dificuldade na aprendizagem, distúrbio de leitura e escrita.
Faz parte da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), realizado através de   parceria entre a Unesp de Marília, Departamento Regional de Saúde (DRS IX) e Secretaria Municipal da Saúde. O serviço é referência em avaliação auditiva e reabilitação e atende pacientes de Marília e municípios da região. Os pacientes atendidos no CER são encaminhados pelo SUS, através dos postos de saúde e Diretoria Regional de Saúde.