Consultas sobre os cheques caem e CNPJ crescem

O vice-presidente da Associação Comercial e Industrial de Marília, Adriano Luiz Martins, constatou no levantamento mensal do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da entidade mariliense que mostra o movimento em 2017 no número de consultas sobre os cheques, que caiu 13,08%, enquanto que o movimento relacionado entre empresas aumentou 8,5%. “Isso mostra o uso cada vez menor dos pagamentos a

O vice-presidente da Associação Comercial e Industrial de Marília, Adriano Luiz Martins, constatou no levantamento mensal do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da entidade mariliense que mostra o movimento em 2017 no número de consultas sobre os cheques, que caiu 13,08%, enquanto que o movimento relacionado entre empresas aumentou 8,5%. “Isso mostra o uso cada vez menor dos pagamentos através de cheques e que os empresários estão estudando mais com quem estão negociando”, comentou o dirigente mariliense que mensalmente acompanha o comportamento do comércio em geral quanto a preocupação cadastral e a luta contra a inadimplência. “O SCPC é a principal ferramenta do comerciante para diminuir a inadimplência na empresa”, afirmou o dirigente.

De acordo com os dados do SCPC da Acim no ano passado foram realizadas apenas 275.886 consultas sobre os pagamentos através dos cheques emitidos pelos consumidores nas lojas da cidade de Marília. Isto representa 13,08% menor do que feito em 2016, que atingiu a marca de 317.417 consultas sobre os cheques emitidos. “A cada ano esse número vem caindo, seguindo uma tendência natural, afinal, o consumidor utiliza cada vez menos os cheques, e cada vez mais os cartões de crédito ou o pagamento em dinheiro”, justificou o vice-presidente da Acim que avalia como natural a queda no número de consultas neste segmento que mostrou dos 12 meses de 2017 que os meses de Março (7,295), Maio (3,28%), Julho (0,88%) e Agosto (8,04%) foram os únicos em que os índices comparados com o ano anterior foram maiores. “Mas na média anual atingiu a queda de 13,08%”, repetiu Adriano Luiz Martins.

As consultas jurídicas vêm crescendo a cada ano. Somente nos meses de: Fevereiro (-6,09%), Abril (-7,63%) e Junho (-2,66%), foram os meses com índices negativos, enquanto que os demais foram todos elevados, numa média anual de 8,5% nos 12 meses de 2017, comparado com o ano anterior. Foram 40.915 consultas realizadas no ano passado, diante das 37.711 consultadas em 2016. “O empresário pode e deve analisar a empresa com quem negocia para ter conhecimento do potencial de pagamento que está se envolvendo”, comentou o vice-presidente da Acim, que assume a entidade como presidente no dia primeiro de Fevereiro. “Nossas informações além de precisas e nacionalizadas, são completas com muitas informações cadastrais dos sócios e da empresa”, disse ao aconselhar que se consulte mais para evitar a inadimplência.

O sistema de consulta do SCPC da Acim é rápido, prático e seguro. Em menos de 2 minutos é possível ter uma “radiografia” sobre o potencial da empresa analisada, segundo o vice- presidente da associação comercial. “Muitas vezes iniciamos uma negociação na incerteza se iremos receber, apenas pela desconfiança natural”, comentou. “A partir do momento que você tem a informação correta, é possível ter certeza e segurança em efetivar uma negociação’, opinou o dirigente da associação comercial de Marília. “A melhor arma contra a inadimplência continua sendo a informação”, ensinou.