Vereadores comentam polêmico processo de implantação dos radares em Marília

O polêmico processo de implantação dos radares nas ruas e avenidas de Marília foi comentado por vereadores. A situação divide opiniões em relação à necessidade de tantos equipamentos, a forma como o sistema está sendo implementado, bem como o valor e as condições do contrato de terceirização. Marcos Custódio (PSC) disse que é uma conquista para a cidade a possibilidade de ter fiscalização eletrôni

O polêmico processo de implantação dos radares nas ruas e avenidas de Marília foi comentado por vereadores. A situação divide opiniões em relação à necessidade de tantos equipamentos, a forma como o sistema está sendo implementado, bem como o valor e as condições do contrato de terceirização.

Marcos Custódio (PSC) disse que é uma conquista para a cidade a possibilidade de ter fiscalização eletrônica no trânsito. “É necessário e com certeza vai trazer mais segurança, além de vir de encontro com a vontade da população. Agora, para ser colocado em prática será necessário superar os imbróglios jurídicos. Assim que houver uma solução, acredito que seja sim uma boa para a cidade”.

Maurício Roberto (PP) é favorável á instalação dos radares fixos. “São uma forma de redutor de velocidade, assim como as lombadas. Acredito que os equipamentos devam ser colocados apenas nas vias em que há realmente a necessidade, como é o caso da avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, República e Via Expressa. Em um primeiro momento, entendo que a maneira como está sendo feito o processo não é a mais adequada. O valor do contrato vem sendo questionado e parece que é muito superior aos de outros municípios. Ainda seria necessária uma discussão mais ampla com a sociedade e com órgãos técnicos como a Polícia Militar”.

Evandro Galete (PODE) destacou que o controle dos radares e a fiscalização devem ser feitos da melhor forma. “Vai educar o motorista e tenho certeza que o número de acidentes será reduzido substancialmente. Marília só não pode se tornar uma indústria da multa. Nas cidades que colocaram radar a segurança no trânsito melhorou bastante”.

Professora Daniela D’Avila (PR) mencionou que é favorável à educação no trânsito. “A melhor forma de coibir acidentes é ensinando. As estradas têm um monte de radar e não adianta nada. Os acidentes continuam acontecendo. Não sou a favor da terceirização. A fiscalização precisa ser feita pela Emdurb (Empresa Municipal de Mobilidade Urbana)”.

José Carlos Albuquerque (PRB) concorda com a colocação de radares fixos em Marília. “Será possível colocar dentro do projeto o ‘Detecta’ para identificar veículos furtados. Quem estiver no controlador poderá enviar uma viatura para fazer o cerco. Em todas as cidades com radares instalados os resultados foram positivos. É bom deixar claro que não foi um grupo de vereadores que autorizou a representação encaminhada ao TCE (Tribunal de Contas do Estado). Foi uma iniciativa do presidente Wilson Damasceno (PSDB). Com os radares podemos evitar boa parte dos 3 mil acidentes com vítimas registrados na cidade e que acionam o Samu, as viaturas e as seguradoras. Colocando a mão no bolso do infrator, ele vai pensar duas vezes na hora de cometer a infração. Muita gente acha que o farol amarelo é para passar, enquanto que o correto seria: atenção, pare. A empresa responsável pelo equipamento vai fazer regulagem para multar somente 2 segundos após o veículo passar pelo sinal vermelho”.